Por que é tão importante crescer interiormente?

 

 

 

Você está na página

CRESCIMENTO INTERIOR

 

Se quiser colaborar na construção de um mundo melhor,

conheça um programa (inteiramente gratuito) para ensinar valores

humanos a crianças, tanto na escola, quanto no lar, e divulgue-o:

www.cincominutos.org

 

Primeira página

Vida além da morte

Mundo espiritual

Reencarnação

A pesquisa científica

Comunicações  eletrônicas

Mediunidade

Obsessão

Os fenômenos de Hydesville

Allan Kardec

Ação e reação

Deus

Quem inventou a reencarnação?

Quem foi Jesus?

O Gólgota e o Tabor

Crescimento interior

A Bíblia

Influências energéticas

AGENDA MÍNIMA para evoluir

DOENÇAS MENTAIS à luz

do conhecimento espírita

LIVROS

CDs e DVDs

Doenças

A fé ou a razão?

O orgulho

Estados de Espírito

A prece

As 5 cores da compaixão

O Consolador

Áudio

Artigos

Se nos habituarmos a

 pensar em nossos desafetos,

enviando-lhes um comando

mental de luz, harmonia e

amor, estaremos ajudando

 a sua e a nossa evolução.

 

Por que é tão importante crescer interiormente?

 

Podemos apontar três causas primordiais:

a) A possibilidade de reprovação no exame final do atual ciclo evolutivo da Terra, com o conseqüente retrocesso para um grau inferior.

É fácil perceber que estamos vivenciando uma fase de transição: de “provas e expiações” para “mundo de regeneração”; e desde a codificação do Espiritismo, os espíritos vêm informando que essa mudança de grau implicará no exílio de todos aqueles que estejam atravancando a evolução moral e espiritual da humanidade. Assim, se queremos continuar na Terra, é imperioso nos ocuparmos mais intensamente com nossa própria evolução.

b) O bem-estar interior, que só se consolida mediante esse crescimento.

c) A felicidade que só pode existir verdadeiramente e em profundidade, quando o sofrimento na Terra estiver em patamares facilmente suportáveis, porque uma pessoa não pode ser de fato feliz vendo-o à sua volta.

Mas será que é possível acabar com o sofrimento na Terra? ao menos aquele que é causado pelo próprio homem, por sua ganância, orgulho e desamor?

Os caminhos de Deus são incompreensíveis para nós, mas se os espíritos responsáveis afirmam que o mundo irá mudar de grau, devemos acreditar. Certamente isto dependerá, em grande parte, dos esforços do próprio ser humano.

Então, vamos em frente, procurando fazer a nossa parte, essa que cabe a cada um, individualmente.

 

Há muito que cada qual pode fazer, é só querer, e a forma mais simples está no exemplo que possa dar, em explicações e exortações para a vivência da ética e da fraternidade, sempre que for possível e conveniente. Está também e, principalmente, em sua vida interior, nos valores da alma a se manifestarem em estados de espírito e nas atitudes, desenvolvendo energias positivas, luminosas. Essa é uma grandiosa colaboração para melhorar os ambientes psíquicos da Terra, com reflexos no comportamento das pessoas.

Ainda sobre a importância do crescimento interior, convém lembrar que, se as condições externas são importantes para o nosso bem-estar, as internas o são muito mais. Isto acontece porque as externas modificam-se, são transitórias. Num momento podemos estar muito bem, com saúde, família, profissão e recursos materiais, tudo em harmonia com os nossos desejos. Mas não há qualquer garantia de que isso não possa mudar de um instante para outro. Num segundo milhões de pessoas vêem suas vidas e felicidade destroçadas, caindo do topo do bem-estar, no abismo dos sofrimentos.

Já as condições internas mais maduras, mais bem desenvolvidas, são a nossa âncora segura nos momentos difíceis e a garantia de bem-estar nas horas leves; são geradoras de saúde e equilíbrio físico, além de balizas que sinalizam e definem nossas programações de vida para os futuros anos e próximas encarnações.
Você concorda, então, que é realmente importante cuidar do interior com todo empenho?

Disse um espírito sábio: “As nossas ações são escritas que fazemos no tempo que passa, e essa mesma escrita um dia volta pelos mecanismos do próprio tempo, nos confortando ou nos cobrando o reparo do mal que fizemos”.
Como seriam esses mecanismos?

Desde a Antigüidade, sábios e iniciados já os explicavam. Inúmeras escolas filosóficas e religiosas as conhecem, tais como a Ordem Rosacruz, a Teosofia e outras. Nos meados do século XIX, os espíritos que responderam perguntas de Allan Kardec sobre os mais variados e importantes temas explicaram com incrível lógica esses mecanismos e, nas últimas décadas, inúmeros espíritos, por médiuns de grande credibilidade, vêm dando mais e mais detalhes.

Dessas explicações, podemos extrair o seguinte:

Os mecanismos em referência representam os caminhos e meios pelos quais é aplicada a lei cósmica de causa e efeito e sua aplicação é supervisionada por seres espirituais de alta hierarquia. Todos os nossos atos, emoções e palavras que contrariam as leis divinas geram um energismo pesado, por destoarem da harmonia cósmica. Essa energia de teor negativo vai se acumulando em nosso inconsciente.

Ocorre que, nas profundezas do nosso espírito, também fulguram as leis de Deus e, do conflito entre o que determinam essas leis e a realidade da nossa vivência, nasce o remorso, que nem sempre chega à zona consciente, ou seja, nosso inconsciente pode estar em chamas sem que disso tenhamos consciência. Mas esse remorso gera reflexos em nosso psiquismo, afetando o sistema energético e, por essa via, o organismo físico. É assim uma espécie de drenagem dessas toxinas psíquicas para o corpo.

Entretanto, os efeitos mais pesados geralmente se manifestam após a morte, no mundo espiritual, e nas futuras encarnações, produzindo anomalias as mais diversas no feto, quando não, zonas de fragilidade no corpo espiritual, que podem desenvolver enfermidades as mais variadas no corpo carnal, ao longo da vida. Ocorrem também como desequilíbrios mentais e psicológicos dos mais diversos, até fobias que nos afligem com maior ou menor intensidade.

Portanto as doenças, principalmente aquelas como o câncer, a tuberculose, a hanseníase e outras assemelhadas, são geralmente o resultado da drenagem dessas toxinas psíquicas do inconsciente e/ou do corpo espiritual para o carnal. A maioria das pessoas, pelo seu viver em desacordo com as leis maiores, continua gerando mais e mais energias incompatíveis com sua idade sideral. Assim, em vez de se libertarem, estão dando continuidade ao seu carma.

Mas não é só isso. Esse energismo degenerado, vibrando nas profundezas do ser, atrai situações compatíveis com sua vitalidade e características. Por exemplo: alguém vivencia a violência, matando, ferindo, agredindo... Em futuras encarnações, mesmo que já tenha resgatado aquelas faltas, aquele energismo violento que ainda vibra em seu inconsciente e que ainda não foi transmutado ou completamente eliminado, tem a propriedade de atrair a violência. Isto explica porque tantas pessoas pacíficas sofrem agressões e violências aparentemente injustificáveis.

Com esse tipo de conhecimentos, começamos a compreender o acerto, a sabedoria e a justiça das leis cósmicas, a entender o quanto é perfeito esse mecanismo que “dá a cada um segundo as suas obras”, ou seja, a lei de causa e efeito, porque prescinde de juízes e advogados, já que o julgamento, a condenação e a execução da pena estão dentro de nós mesmos, monitorados pela grande lei.
Vemos assim que o bem-estar e a felicidade relativa que podemos usufruir só dependem de nós, das nossas posturas na vida.
 

Vemos então que o nosso viver em desacordo com as leis cósmicas nos leva a sofrimentos durante a vida aqui na terra, e no mundo espiritual, após a morte, podendo refletir-se em nossas futuras encarnações.

Além disso, essas leis cósmicas, que são as leis de Deus, ou leis naturais, prevêem a evolução de tudo. Tudo evolui, e quando estacionamos em nossa ascensão evolutiva, ficamos para trás, ou seja, continuamos numa faixa de sofrimentos desnecessários.

O crescimento interior é caminho para o equilíbrio e o bem-viver.

Crescer interiormente equivale a:

a) desenvolver valores como o amor fraterno, o perdão, o altruísmo, a ética, a alteridade, a responsabilidade, a paciência, a humildade, a honestidade, etc.;

b) adquirir equilíbrio mental, psíquico e emocional;

c) conquistar o bom relacionamento consigo mesmo e com os outros;

d) desenvolver estados de espírito positivos;

e) liberar-se de traumas, fobias, medos, ansiedades, frustrações...

f) desenvolver sabedoria.

 

Quase todos temos um “espinho”, na forma daquela pessoa que parece ter nascido para nos aborrecer. Essa presença, ou mesmo, apenas a lembrança de sua existência, quando nela pensamos, produz em nosso psiquismo uma ambiência de baixo teor vibratório, cheia de azedume, mágoa ou rancor. E então ficamos lembrando seus aspectos negativos, analisando e lamentando suas ações e atitudes, ou pensando qual seria a melhor resposta que lhe daríamos em tal ou qual situação. Isto gera energia negativa que após deixar em nós seus primeiros resíduos, segue no fluxo do pensamento atingindo o alvo, no caso, o nosso desafeto.

Atitudes assim, geram “carma negativo” para nós, porque esse mau juízo, falso ou verdadeiro, que fazemos a respeito do nosso desafeto irá afetá-lo, podendo induzi-lo a maus, ou ainda piores, caminhos.

Se, por outro lado, nos habituamos a pensar no desafeto, enviando-lhe um comando mental de luz, harmonia e amor, estamos ajudando sua evolução.

Crescer interiormente também equivale a assumir maiores responsabilidades para com o próximo e com a coletividade.

 

Todos os nossos atos, emoções e palavras que

contrariam as leis divinas geram um energismo

pesado,por destoarem da harmonia cósmica,

 e essa energia de teor negativo vai se

acumulando em nosso inconsciente.

 

Ocorre que nas profundezas do nosso espírito,

também fulguram as leis de Deus e, do conflito

entre o que determinam essas leis e a realidade da

nossa vivência, nasce o remorso, que nem sempre

 chega à zona consciente, ou seja, nosso

inconsciente pode estar em chamas sem que disso

 tenhamos consciência.

Mas esse remorso gera reflexos em nosso

psiquismo, afetando o sistema energético e,

por essa via, o organismo físico.

 

 

 

Os problemas da vida podem ser comparados

a um barbante cheio de nós que é preciso

 desmanchar, deixando-o liso.

Se você começar a dar puxões nesse barbante só vai apertar cada vez mais esses nós, não é verdade?

Mas se passar a desmanchá-los pacientemente, um

por um, logo terá todos desatados e o barbante liso.

Com os problemas é a mesma coisa.

Se ficamos nervosos, irritados, agressivos, só

conseguimos piorar a situação.

Mas se nos munimos de paciência e começamos a

 trabalhar com fé, sabedoria e equilíbrio logo

 teremos conseguido solucioná-los.

 

 

 

Se quiser colaborar na construção de um mundo melhor,

conheça um programa (inteiramente gratuito) para ensinar valores

humanos a crianças, tanto na escola, quanto no lar, e divulgue-o:

www.cincominutos.org

 

 

 

 

Se quiser fazer exercícios de relaxamento com

visualizações benéficas, terapêuticas, etc., ouvir música relaxante,

preces e mensagens para viver melhor, visite o site

 www.bemviver.org

 

 

 

Voltar ao topo da página