Voltar


 

Ser e estar

Daniel Valois   

 

      

 valois@intergate.com.br 

 


“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (João 8:32).

Procurado por um jovem rico que desejava  conquistar a felicidade, Jesus lhe disse: “vai, vende tudo que tens e dá-o aos pobres. Vem e segue-me...” As Escrituras afirmam que o jovem ficou muito triste, foi embora e não voltou.

O convite do Mestre, proferido faz dois mil anos, ressoa aos ouvidos da humanidade hoje, agora, eternamente. O jovem não traduziu as palavras de Jesus, pensou que teria de renunciar aos bens e ao conforto, quando, na verdade o apelo foi dirigido ao Ser: Vai, abandona o Ego. As coisas da matéria são da matéria. Se queres alcançar a felicidade, desapega-te das posses, do orgulho, da vaidade, do poder, da prepotência. O que conta é a humildade, a bondade, a fraternidade, a solidariedade o amar sem condicionantes... Não somos o que possuímos. Estamos matéria, mas não somos matéria... desapego, eis a senha.

E Sua voz sussura na consciência: “segue-me; embora você esteja no comando do navio, olhando o mundo do conforto da cabine, navega o mesmo canal estreito e poluído, navegado pela maioria... o canal do Ego. Vai, ali adiante está o lago da verdade e da liberdade... entra nele, manobra, retorna e verás o oceano largo e límpido, águas azuis que vão além do horizonte. É a beleza, a amplitude, a luz do Ser  iluminando a rota... Vai, levanta os olhos para o Universo, estarei lá,  velando por ti, mas estarei também, se quiseres, dentro do teu coração. Segue-me!                                           

A reencarnação é uma espécie de contrato com Deus. O objeto do contrato é o amor. Reencarnamos para aprender a amar. O retorno à matéria é como uma viagem para outro país, aonde vamos cursar a faculdade. Chegando à universidade, trocamos as salas de aulas pela cantina do campus, onde ficamos tomando cerveja e jogando conversa fora, enquanto o tempo passa... é o delírio coletivo do passatempo, do “matar” o tempo, enquanto a vida avança!

 Encarar o Ser, afastando-se do Ego, não nos desobriga das lutas e até de algum sofrimento. Vicissitudes nos acompanharão por algum tempo, porque a Terra está em transição para a fase de Regeneração, tripulada por espíritos imperfeitos – nós. Sofrimento é aguilhão, estimulando a marcha. Com uma diferença: as pedradas não nos atingirão. Elas são dirigidas ao Ego. O Ser está acima das pedras da inveja, da intriga, do orgulho, da vaidade e da disputa de poder... O ser navega com os olhos fitos nas atitudes de amor, no mar do compromisso, seguindo o rumo do equilíbrio. Afetividade, humildade, alteridade e contentamento serão os companheiros de jornada...

Fugir à escura mentira do repouso e da preguiça é a meta. No Universo tudo é movimento, vida pulsante. É só olhar a dinâmica da natureza, onde a semente morre no seio da terra, renasce como árvore, que produz folhas, flores e frutos, volta a ser semente, renasce, cresce, vira árvore e o ciclo continua... A borboleta que se arrastava na terra e nos troncos e folhas das árvores, agora mergulha na aparente imobilidade do casulo, mas logo estará voando e alegrando o mundo com suas cores...

Se quisermos sair do casulo (estar), devemos olhar para o SER  e,  como João Batista em relação a Jesus, dizer: “Convém que Ele cresça e que eu diminua.”  (João 3.30). 

Quando o EGO diminui, o ESPÍRITO se agiganta e navega seguro, ao  encontro do infinito...

                                                                           

Daniel Valois

Um estudante da Doutrina Espírita

valois@intergate.com.br