Artigos

 

Como é a sua relação com Deus?

Saara Nousiainen

 

logos*bemviver.org

OBSERVAÇÃO: substitua o * por @.

 

Como é a sua relação com Deus? É infantil, adolescente ou adulta?

Como é a relação da criança com seus pais, ou com os responsáveis por ela? É da exigência. Isto porque ela necessita de alimento, cuidados e afeto, e são os pais, ou os responsáveis por ela, os seus provedores.

Já na adolescência, sentindo necessidade de auto-afirmação, passa a lutar pelo que entende ser a sua liberdade.

Quando adulta, mais madura, sua relação com os pais passa a ser também mais tranqüila, mantida pelo amor e o respeito e, sempre que necessário, é aos pais que se dirige quando precisa de conselhos ou de colo.

Nossa relação com Deus segue caminhos semelhantes.

Quando somos ainda crianças espirituais, buscamos na religião (que representa o “Pai” diante de nós) tudo que ela possa nos oferecer, desde bens materiais, saúde, amor, lazer, enfim, tudo que nos apraz vivenciar ou possuir. Em troca, lhe damos fidelidade e obediência.

Já um pouco mais crescidos, nas milenares jornadas do nosso espírito, começamos a nos sentir mais fortes, mais capazes, e acabamos muitas vezes nos afastando da religião ou nos tornando ateus.

Ao amadurecermos mais, no decurso de “N” reencarnações, passamos a perceber a grandeza da vida e do TODO, e então podemos sentir mais profundamente o que significa esse Ser Supremo, o Arquiteto Cósmico, a Causa Primária da Todas as Coisas, que chamamos Deus.

Então a nossa relação com Ele se modifica. Passamos a ter-lhe profundo respeito e admiração e podemos dizer como o filósofo alemão Kant, que viveu no século XVIII, “Duas coisas me enchem a alma de crescente admiração e respeito: o céu estrelado sobre mim e a lei moral dentro de mim”.

Assim, com um pouco mais de maturidade espiritual, já podemos perceber que as leis cósmicas estão escritas na nossa consciência e passamos a nos guiar por elas, não por temor a Deus, mas por amor a Ele.

Então deixamos de buscar em Deus e nas religiões aquilo de que necessitamos ou desejamos para nossa vida material, entendendo ser mais correto buscar na religiosidade o alimento que nutre nossa alma.

Mas como vivemos numa dimensão material, inseridos em necessidades dessa natureza, é justo buscarmos também a ajuda do “Pai” quando esta se faz necessária.

Assim numa relação mais adulta temos na religião, ou na religiosidade, a fonte dos sentimentos divinais que nos nutrem de amor, paz e contentamento, e por vezes nos levam a níveis mais elevados de luz, harmonia e encantamento espiritual.

Se a sua relação com Deus é do formato infantil, não se preocupe. Isto é até natural porque somos egressos de uma fase de condicionamentos milenares, que nutriram a nossa fé, em épocas ainda infantis da alma humana.

Mas se a sua alma anseia por uma relação mais madura com Deus, comece a refletir sobre estas questões e assim, pouco a pouco, poderá ir se libertando dos muitos condicionamentos, passando a percepções mais claras e mais reais sobre Deus, a vida, as leis cósmicas e o que somos dentro do TODO.